“A Dama Pioneira” da Assembléia de Deus no Brasil que não se deixou intimidar diante de preconceitos machistas

Uma mulher à frente de seu tempo! Esposa, mãe, enfermeira, missionária, escritora, poetisa,  redatora, pregadora, ensinadora, comentarista pentecostal,  organista, violonista  compositora e tradutora. Na Harpa Cristã encontramos 23 hinos que levam suas iniciais. Estou falando de FRIDA MARIA STRANDBERG VINGREN esposa de Gunar Vingren.

“Os mais belos hinos e poesia foram escritos em tribulação” (Hino da harpa crista 126  Frida Vingren)

        Brasil, primeiras décadas do século vinte, havia o “predomínio de uma organização social patriarcal”, onde a figura masculina imperava, a figura feminina era relegada a segundo plano,  sofrendo o preconceito de uma sociedade machista. À mulher era limitado o papel de servir o esposo, os filhos, e trabalhar no campo.  Também era restringido à mulher o direito de votar, e somente em 1932 a mulher conquistou esta sua luta pela cidadania.

         Porém, em meio à esta cultura social arcaica no País, surge no cenário evangélico,  uma mulher com um “brilho humilde”, aparência singela, simples, mas que  escondia no coração,  o mais precioso dos tesouro - A Palavra de Deus - Frida Vingren, missionária sueca, a “Dama Pioneira” da Assembléia de Deus no Brasil,  instruída e dotada de muitos predicados.  Uma esposa e uma mãe que soube  servir a Deus e a família. Os sofrimentos não puderam deter esta “Grande Mulher”, também não se deixou intimidar diante das criticas e preconceitos por ser simplesmente uma mulher. Tinha convicção dos dons e talentos que Deus havia lhe dado, e mais ainda,  de seu grande e maravilhoso chamado.


        Abaixo, podemos ler sua rica biografia entrelaçada com a profundidade de seus poemas melódicos da Harpa Cristã, que servem de edificação e crescimento para a vida pessoal e espiritual dos cristãos. Frida viveu o que ela compôs, o amor a Deus e às almas perdidas estava acima da falta de alimento, da enfermidade, dos preconceitos, das críticas, e da morte. Mulher fiel! Mulher de fibra! Um exemplo para as mulheres do século XXI!
FRIDA MARIA STRANDBERG VINGREN
Nasceu em 9 de julho de 1891, em Sjalevad, Suecia.  De família luterana, Frida foi criada em um ambiente cristão. Formou-se em enfermagem. Era batizada no Espirito Santo e foi batizada nas águas em 24 de janeiro de 1917 pelo pastor Lewi Pethrus (pioneiro do pentecostalismo na Suécia).

O CHAMADO DE FRIDA
Convicta de seu chamado para o campo missionário, comunica ao Pastor Pethrus e ingressa em um curso bíblico. Gunnar Fringen, missionário sueco e um dos Fundador da Assembleia de Deus no Brasil (1911),  viaja para  Suécia e  Estados Unidos entre os anos de 1915 e 1917, para recuperar as forças, após os cincos primeiros anos de atividade no Brasil, (chegou no Brasil em 1910)), Na Suécia ele  conhece Frida,  se tornam amigos, no dia 12 de junho de 1917, Frida, com 25 anos, obedecendo o seu chamado, deixa a sua Pátria, e parte  para Nova Iorque, onde encontra-se com Gunnar. Juntos, partem para o Brasil a bordo do navio “Bergensfjord”. “Se lá para o deserto Jesus me quer mandar, levando boas novas de salvação sem par (...). Se Cristo comigo vai, eu irei” ( 515).

O CASAMENTO COM O MISSIONÁRIO GUNNAR VINGREN
Chegando a Belém do Pará, casou-se com Gunnar Vingren em 16 de outubro de 1917, com 26 anos, numa cerimônia presidida pelo Pastor Samuel Nystrom.Trabalhou lado a lado com o esposo,  “sofreram juntos, muitas aflições, como bons soldados de Cristo”. “E,  depois,  saíram pelo mundo, como  mensageiros do Senhor, com coragem e amor  profundo, proclamando Cristo Salvador”. (n°.126).

O SOFRIMENTO DOS MISSIONÁRIOS
 Recém-casados, tiveram que se adaptar ao clima quente do Brasil, à falta de conforto da casa,  e a alimentação escassa: banana com farinha. Não desanimes,  por ter tua cruz maior  que a do teu irmão” (n°. 394). O casal teve seis filhos:Ivar, Rubem, Margit, Astrid, Bertil e Gunvor. Frida passa a ser chamada  Sra. Vingren.

A ENFERMIDADE DE FRIDA
Em Março de 1920, com 28 Anos, a Missionária Frida  foi acometida de malária, Durante dois meses e meio, a luta pela vida foi intensa, A igreja em Belém se colocou em oração e jejum. “Quando as esperanças desvanecem, o aflito crente vai orar”.  (n°. 126).  E o milagre de Deus ocorreu em  3 de Junho de 1920.“Jesus, já sem tardança, vem tua dor sarar” (n°. 390).

A MISSÃO EM BELÉM DO PARÁ
A missionária evangelizou, abriu frentes de trabalho, dedicou-se à obra social, à visitas e aos grupos de oração. Tinha o dom de ensinar.  Na ausência do esposo, era a  dirigente oficial do culto, também gostava de ministrar estudos bíblicos.“Pronto estou pra ir com Cristo a mensagem proclamar, pelas vinhas onde vou a trabalhar” (n°. 516).

A ENFERMIDADE DO SEU ESPOSO “GUNNAR VINGREN”
Em 1920 Gunnar Vingren começou a sofrer de esgotamento físico, devido a dedicação exaustiva à obra do Senhor e as malárias contraídas. A família  passou o período de 1921 a janeiro de 1923 na Suécia e Estados Unidos,  retornando ao Pará  em fevereiro de 1923.  Frida estava agora com 30 anos. “Na tribulação é paciente, esperando no seu Salvador(...) Quem quiser de Deus ter a corôa, passará por mais tribulação, nas alturas santas ninguém voa, sem as asas da humilhação”. (n°. 126).

A MISSÃO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Após sete anos no Estado do Pará, a família Vingren, foi para o Rio de Janeiro, onde desembargaram em 1924.  No bairro  de São Cristóvão, inauguraram o primeiro salão de cultos. Frida foi dirigente oficial dos cultos realizados aos domingos na Casa de Detenção, pregava em todos os pontos de pregação,  em praças e jardins, e também dirigia cultos ao ar livre. “Sua graça e seu poder, quero sempre aqui contar, contente com Jesus, levando a minha cruz,  eu falo de Cristo, que é minha  luz” (n°. 515)
TALENTOS

Redatora dos jornais Boa Semente, O Som Alegre e Mensageiro da Paz. Também era escritora, tradutora de mensagens evangelísticas, doutrinárias e de exortação e comentarista de Lições Bíblicas da Escola Dominical na década de 30. “Quem sua mão o arado já pôs, constante precisa ser”(...). Vai seu amor proclamando, novas de paz, sim levando”. (n°. 394)"Qual jornal no mundo, na década de 1920, tinha uma mulher como redatora chefe?”.   (Assembleiano e Sociólogo,  Gedeon Freire de Alencar).

DEDICAÇÃO À MÚSICA (23 HINOS DA HARPA CRISTÃ LEVAM AS SUAS INICIAIS)
Frida cantava, tocava órgão, violão e compunha hinos de grande valor espiritual. A Harpa Cristã (Hinário Oficial da Assembléia de Deus no Brasil) contém cerca de 23 hinos que levam as suas inicias, alguns de sua autoria e outros tradução sua:028, 059, 085, 097,121, 126, 158, 177, 196, 246, 255, 316, 320, 361, 379, 390, 391, 394, 397, 445, 472, 515, 516. Os mais belos hinos e poesia foram escritos em tribulação, e do céu as lindas melodias se ouviram na escuridão (n°.126).

O PRECONCEITO
Devido o desprendimento da missionária e sua forte atuação na obra de Deus, Frida  foi motivo de crítica, questionamento e incompreensão por parte da maioria dos Pastores brasileiros e dos Missionários suecos. Mas, até onde o Senhor permitiu não se deixou limitar e desempenhou e utilizou os seu talentos em prol da obra da Deus, com muito esmero.  "... pois não é o homem, nem tampouco a mulher que faz o ministério, mas é o dom”, ( O Som Alegre em janeiro de 1930 por Frida).  A convicção do chamado de Deus em sua vida, levava Frida a prosseguir feliz e fielmente nos caminhos santos do Senhor. Tinha certeza que o  Senhor Jesus a acompanhava em todos os momentos de sofrimento e luta. “Quem no coração for mais ferido, mais daquela glória há de ter”.  (n°. 126)

FRIDA TINHA O TOTAL APOIO DO ESPOSO NA OBRA DO SENHOR
Seu esposo, Gunnar,  foi seu maior incentivador, não por nepotismo, mas porque tinha consciência do chamado da esposa e dos talentos dados a ela por Deus. Frida, com certeza, era uma das mais bem preparadas missionárias que já pisou em solo brasileiro. "A minha esposa, com os obreiros da igreja, têm levado a responsabilidade pela obra".

Gunnar Vingren sempre apoiou o ministério feminino, pois sabia que os campos estavam brancos para a ceifa e os ceifeiros eram poucos, ele via a necessidade de aproveitar melhor as mulheres, dando a elas mais responsabilidades e liberdade de atuação na obra do Senhor. Ele havia sido evangelizado e salvo através do ministério de algumas mulheres. Dizia ele: “Não posso de deixar de apresentar a minha convicção de que o Senhor chamou e ainda esta chamando homens e mulheres para o serviço do evangelho, para ganhar almas e testificar do seu amor”.

COMO AS ASSEMBLEIAS DE DEUS TRATOU DESDE A SUA ORIGEM A QUESTÃO DO MINISTÉRIO EEMININO?
Desde a primeira Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, em 1930, que reuniu Pastores nacionais e Missionários suecos, umas das questões colocadas em pauta era sobre o “Trabalho feminino na Igreja”. Na foto histórica da Convenção de 1930, aparecem 35 rostos, apenas 2 mulheres: as Missionárias suecas: Beda palm e Frida Vingren, possivelmente, o estopim para que esta convenção acontecesse. Para Frida, ser  mulher, e ser atuante no ministério eclesiásticos lhe trouxe sérios problemas e muito preconceito.

NA PRIMEIRA CONVENSÃO GERAL DAS A.SSEMBLEIAS DE DEUS,  GUNNAR VINGREN FOI O ÚNICO QUE DEFENDEU O MINISTÉRIO FEMININO.
Ele era o  Líder nacional dos Missionários, defendeu o Ministério Feminino na primeira convenção Geral das Assembleias de Deus, que ocorreu em  setembro de 1930, porem,  Samuel Nystrom, missionário sueco, que exercia a liderança na ausência de Vingren se opôs á proposta do Líder. Samuel, ajudou a lançar e consolidar os fundamentos doutrinários das A.D no Brasil,  e  exercia grande liderança espiritual e eclesiástica entre os Pastores nacionais e os Missionários suecos. Dizia Samuel que a mulher não podia pregar, ensinar e nem doutrinar. Bem, hoje, vejo que houve alguns progressos....

PODEMOS LER A DECISÃO DA CONVENÇÃO REGISTRADA EM UM DOS DIÁRIOS DE GUNNAR SOBRE O MINISTÉRIO FEMININO
“As irmãs têm todo o direito de participar na obra evangélica testificando de Jesus e sua salvação, e também ensinar quando for necessário. Mas não se considera justo que uma irmã tenha a função de Pastora de uma igreja ou de ensinadora, salvo em casos excepcionais mencionados em Mateus 12.4-8”. Frida não aceitou passivamente a decisão da Assembléia e como redatora do jornal Mensageiro da Paz, escreveu à todas irmãs brasileiras o texto abaixo:

“DEUS MOBILIZANDO SUAS TROPAS” (Frida Vingren – 1931)
(...) Despertemos-nos, para atender ao chamado do Rei, analisando-nos nas Suas fileiras. As irmãs das "Assembleias de Deus" que igualmente, como os irmãos tem recebido do Espírito Santo, e portanto, possuem a mesma responsabilidade de levar a mensagem aos pecadores precisam convencer-se de que podem fazer mais do que tratar de deveres domésticos. Sim, podem também quando chamadas pelo Espírito Santo sair e anunciar o Evangelho. Em todas as partes do mundo, e especialmente no trabalho pentecostal, as irmãs tomam grande parte na evangelização. Na Suécia, paiz pequeno (...) existe um grande número de irmãs (...) trabalhando exclusivamente no Evangelho. Dirigem cultos, testificam e falam a palavra (...). Por qual razão, as irmãs brasileiras hão de ficar atrasadas? (...) Não há tempo a perder. Jesus vem em breve. O Senhor diz: “A quem enviarei, e quem á de ir por nós: Diremos nós: “Eis me aqui, envia-me a mim”. (mantida a grafia da época). Mensageiro da Paz, ano I, n. 3, de 1 de fevereiro de 1931.

Apesar do preconceito e da oligarquia Assembleiana,  o trabalho das mulheres  sempre foi e é despontado dentro da  denominação desde a sua fundação, o rosto feminino sempre esteve presente e atuante dentro da igreja, fora dela, e no campo missionário,   mesmo em meio ao caudilhismo machista,  as mulheres têm a convicção que Deus chama homens e mulheres vocacionados,   podendo todos os “servos” exercerem o serviço para o seu Senhor.  Que os nossos Pastores da A.D., do século XXI,  comecem a enxergar o Ministério Feminino como enxergava Gunnar Vingren à cem anos atrás.

FRIDA DEDICOU-SE QUINZE ANOS À OBRA MISSIONÁRIA NO BRASIL
De 1917 a 1932. Houve muito sofrimento, mas também muita dedicação. Em 15 de Agosto de 1932 a familia decidiu retornar à  Suécia, Frida estava com 41 anos.“Andei eu pelos campos, onde frutos achei; Em Hebron, uvas vivas também eu apanhei” (n°. 316). “Frida era uma mulher valente, mas não foi páreo para os “cabras machos” nordestinos em conluio com Samuel Nystron”. (OROZCO. 2009, p.75).

A MORTE DA FILHA “GUNVAR”
Dias antes da partida da família para Suécia, sua filha Gunvar faleceu, e ficou sepultada  na terra que ela tanto amava. “Tens a graça pra seres vitorioso , nas terríveis provações da vida aqui? Tens descanso encontrado em Jesus Cristo: Permaneces pela graça que Ele deu? Plena paz, consolação acharás no coração: Deus ai, vitória aos santos concedeu” (n°. 246).

A MORTE DO ESPOSO
Gunnar Vingren faleceu, no dia 29 de junho de 1933, na Suécia, com 54 de anos de idade,  Frida testemunhou: “Ele recebeu a chamada para o Céu. Então com os braços levantados, exclamou: Jesus como tu é maravilhoso. Aleluia! Aleluia”.Enquanto estava sob este poder, leu os quatro primeiros versos do salmo 84: “Quão amáveis são os teu tabernáculos, Senhor dos Exércitos! (...)”.

A MISSIONARIA FRIDA, PEREGRINA, SEGUE PARA GLÓRIA
 (...), mui suave e cheio de harmonia, Oh! Minh’alma volta pra teu lar!” (n°.361). No dia  30 de Setembro de 1940, faleceu Frida Vingren, com 49 anos, sete anos após o falecimento de seu esposo. “E do céu mais forte veio a  brisa, que te leva  ao seio do Senhor” (n°. 126)”. “Quando enfim, tú largares a cruz, Jesus te coroará, com santo gozo em glória e luz, te consolará, esquecerá teus lidares, tribulações e pesares, quando no céu desfrutares perfeita paz”(n°. 394). Aleluia!

FRIDA VINGREN confessou na vida e na morte que: “TUDO PRA MIM É JESUS”. (n°.196). “Maravilhoso é Jesus,  da minha vida a luz, pois me salvando, me perdoando, para Sião me conduz ”(n°. 121).